Caieiras dobrará com condomínio e Perus cresce por tabela


Caieiras dobrará com condomínio
Plano de construtora é vender apartamentos a 80 mil moradores - população do município hoje é de 81 mil


Sérgio Duran


A pacata Caieiras, uma das cidades mais desabitadas da região metropolitana de São Paulo, ganhará 80 mil novos moradores com um único empreendimento, a ser criado no prazo de cinco a dez anos. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o município tinha 81.163 habitantes no ano passado. Ou seja: o lançamento imobiliário erguerá outra cidade do tamanho da que já existe.Adquirido pela Camargo Corrêa, o terreno que abrigará o empreendimento gigante fica próximo da estação de trem que leva o nome da cidade, da Linha A da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). O lote tem 5,2 milhões de metros quadrados e pertenceu à Companhia Melhoramentos.
Parte da área era usada para reflorestamento. Segundo o diretor de novos negócios da Camargo Corrêa, Marcelo Figueiredo, as moradias a serem construídas no local deverão atender ao que a empresa chama de “segmento econômico” e custarão entre R$ 70 mil e R$ 200 mil.
Quando todas as unidades forem vendidas, a empresa terá movimentado cerca de R$ 3 bilhões.
O projeto prevê a ocupação de cerca de 35% do terreno - ou 1,6 milhão de metros quadrados - com prédios de quatro a seis andares e apartamentos com dimensões de 60 a 120 metros quadrados de área útil. “Não queremos construir uma cidade-dormitório, mas um lugar com vida própria, uma comunidade.
Haverá espaço para centro comercial ou shopping, por exemplo”, diz o diretor da construtora. As primeiras unidades deverão ser comercializadas em 2010.
Figueiredo admite que o empreendimento obrigará a Camargo Corrêa a buscar um relacionamento mais estreito com a prefeitura - o que não fez até o momento.
(Pagando até lixão deixam construir)
Os novos moradores deverão aumentar a arrecadação de Caieiras, mas, em compensação, dobrarão a produção de lixo, a demanda por médicos nos postos de saúde, de vagas em creches, de esgoto, de consumo de água.“Faremos esse contato em uma fase mais avançada do projeto”, afirma. “A infra-estrutura da região vem sendo incrementada, a começar pela modernização da linha da CPTM.
(A CAVO é da Camargo Correia)
(a CPTM já começou! mudou de nome...)
Mas o empreendimento levará muitas melhorias, como, talvez, uma estação de tratamento de esgoto”, diz Figueiredo, citando o empreendimento Inova, de Osasco, na região metropolitana da capital, como exemplo. Por causa dos novos prédios, a Camargo Corrêa investiu na ampliação de uma avenida no local, a Estados Unidos.
IMPACTO AMBIENTAL
A diretora de gestão do conhecimento da organização S.O.S Mata Atlântica, Márcia Hirota, alerta para o impacto que um empreendimento desse porte terá sobre o território de Caieiras.
A região é desabitada, destaca a ambientalista, porque parte está inserida dentro do Parque Estadual da Cantareira, área de transição entre a mata atlântica e o cerrado.
(Espera!!! Só a PRefeitura de Caieiras pode desmatar a Serra da Cantareira??? Esse ambientalista nunca deve ter pisado por lá, a area é de reflorestamento e só tem arvores para a fabricação de papel da Melhoramentos.. )
A maior parte do município está em área de preservação permanente.“Fica difícil falar de um empreendimento que não conheço, que não foi totalmente apresentado ainda, mas, que o impacto será grande, é indiscutível”, pondera Hirota.
(Hirota!! faz-me um favor, primeiro tu vê depois tu fala..)
De acordo com a diretora da S.O.S Mata Atlântica, há no entanto formas de construir um empreendimento sustentável. “Ninguém é contra lançamentos imobiliários, mas há formas melhores de executá-los do que outras.” Investir na educação ambiental, na coleta seletiva de lixo, em fontes alternativas de energia e no tratamento de esgoto, por exemplo, são medidas indispensáveis na avaliação da ambientalista.Exceto o tratamento de dejetos, Figueiredo não fala em outros investimentos do gênero, mas adianta que todas as exigências ambientais para a aprovação do empreendimento estão sendo atendidas.
Ele cita ainda o fato de Caieiras ter uma das mais baixas densidades demográficas da região metropolitana, com 800 habitantes por quilômetro quadrado. A capital chega a ter 14 mil pessoas por quilômetro quadrado. “Há infra-estrutura subaproveitada.”O prefeito de Caieiras, Névio Luiz Aranha Dártora (PSDB), foi procurado pelo Estado, mas informou por meio de sua Assessoria de Imprensa que não gostaria de falar sobre o projeto da Camargo Corrêa.
Isso porque a prefeitura ainda não recebeu nenhuma notificação oficial sobre os planos da construtora.
(TÁ.. Eu credito em Papai Noel, )
TRENS
Caieiras está em uma das regiões que receberam investimentos da CPTM para transformar a Linha A, que atende à cidade, em uma espécie de metrô de superfície, reduzindo os atuais dez minutos de espera pelas composições para quatro minutos.
Para isso, será investido cerca de R$ 1,4 bilhão.
O dinheiro será usado, principalmente, na aquisição de 20 novos trens. Em segundo lugar, todas as estações serão remodeladas.
A da Lapa, que será ponto de partida tanto da linha A como da B, será transformada em uma grande estação terminal.
(ESSES CARAS NÃO TOMAM TREM!! ISSO É UMA GRANDE MERDA QUE ESTÃO FAZENDO... PORQUE NÃO DEIXAM COMO ESTÁ, ESTAÇÃO TERMINAL NA LUZ!)
Segundo previsão do governo, todas as reformas estarão concluídas até 2010, coincidentemente o ano em que as primeiras unidades do condomínio começarão a ser vendidas.
CAVO, CAMARGO CORREIA, PREFEITURA DE SÃO PAULO, CAIEIRAS E GOVERNO ESTADUAL PARABENS PELA MERDA QUE ESTÃO FAZENDO, VOU LEBRAR NAS PRÔXIMAS ELEIÇÕES QUE VOCÊS SÃO DO PSDB...



Adicione aos Favoritos: Adicionar ao Blogblogs Adicionar ao Rec6 Adicionar ao Linkk Adicionar ao Technorati Adicionar ao Delicious Adicionar ao Google Adicionar ao Yahoo

Facebook Twitter
Twitter

1 comentários:

  Anônimo

22 de outubro de 2008 20:01

A Capital esta crecendo na vertical, por nao ter mais aonde fazer loteamento. Era de se esperar estes comentarios sobre esta região, a principio o dinheiro e quem vai decidir e nao a prefeitura e seus contribuintes.
Mas eu não sou totalmente contra, desde que haja um planejamento e nao um crescimento desordenado.